Sincronia

person adminfolder_openUncategorizedaccess_time October 12, 2017

Quem me acompanha sabe que eu sempre deixei bem claro que a felicidade vai muito além disso e que o estilo de vida nômade digital, embora seja muito sedutor, não é uma fórmula para uma vida feliz.

Ainda assim, acho que deve ser difícil acreditar que uma pessoa que vive viajando e trabalha com o que gosta, passe por qualquer tipo de dificuldade.

Acho que foi por isso que essa semana, quando eu recebi um convite para uma entrevista sobre o tema, uma das perguntas me intrigou ao ponto de eu querer escrever um texto inteiro sobre ela.

“Você diz que está feliz, mas que os últimos dois anos foram os mais difíceis da sua vida. Não é um pouco contraditório? Por que vale tanto a pena esse sofrimento? Já pensou em desistir alguma vez?”

Eu aprendi uma coisa ainda muito nova: não dá para ter tudo na vida. Para conseguir uma coisa, é preciso abrir mão de alguma outra coisa. Não existe exceção. Ao escolher uma, você está renunciando a outra.

O problema é que na nossa sociedade atual, obcecada pela felicidade, todo mundo quer o ganho sem a dor, o resultado sem o processo e a recompensa sem o risco. Só que, infelizmente, a vida não funciona assim. 

O que muita gente não percebe é que essa incapacidade lidar com as emoções negativas, de sofrer, ou de encarar o sofrimento como parte da vida é justamente o que torna as pessoas tão infelizes.

Viver é sofrer e sobreviver é encontrar um significado no sofrimento.
– Frederich Nietzsche –

A felicidade não é perfeita.

Até eu que sou uma perfeccionista confessa sei que a perfeição é algo inatingível e, por consequência, a felicidade nunca será perfeita. Além disso, cada um tem uma ideia diferente do que é perfeito, o que por si só já mostra o quanto o perfeito é imperfeito.

Nosso conceito de perfeição está diretamente relacionado ao que consideramos melhor ou pior do que a situação em que a gente se encontra nesse momento. Por isso, um erro muito comum é achar que a vida será “perfeita”, e consequentemente feliz, quando a gente conseguir aquilo que tanto deseja.

Eu queria viver com mais liberdade, trabalhar nos meus próprios termos e viajar quando tivesse vontade. Essa é a parte “perfeita” e que me faz feliz com a vida que eu levo hoje em dia. Mas, junto com esse pacote, veio um caminhão de incertezas e emoções negativas que eu nunca tinha sentido antes e que eu não tenho como fugir.

Precisamos assumir a responsabilidade pelas nossas decisões.

Não adianta tomar uma decisão pensando apenas no lado positivo e, na primeira dificuldade, desistir ou arranjar um culpado para o nosso sofrimento.

Precisamos ser responsáveis pelas nossas escolhas e também pela forma com que lidamos com as situações quando algo que não podemos controlar nos acontece.

Muitas coisas das que me fizeram sofrer nesses dois anos foram consequências de escolhas (talvez erradas) que eu fiz. Isso quer dizer que eu me arrependa? Que eu pense em desistir? Absolutamente não!

Eu aprendi com todos esses erros e hoje sou melhor do que eu era quando os cometi.

O medo faz parte da vida.

Aprenda a conviver com ele cultivando a coragem. A coragem não é ausência de medo, é a nossa capacidade de agir mesmo sentindo medo. É entender que o resultado dessa ação será mais importante do que o medo que estamos sentindo.

O medo não é uma coisa ruim, aliás, ele é totalmente necessário para a nossa sobrevivência. Ele só nos faz infelizes quando nos deixamos paralisar por ele.

Essa inércia que ele causa é instintiva, nos faz sentir protegidos das consequências das ações que não conseguimos tomar. O problema é que quanto mais nos protegemos do que nos causa medo, mais nos afastamos da felicidade.

Eu sempre tive medo de o meu dinheiro acabar, de me afastar dos meus amigos ou de me arrepender. 

Tudo o que eu mais temia não aconteceu, mas a incerteza sobre o futuro me tirou infinitas noites de sono. A inconstância desse estilo de vida fez a minha ansiedade explodir e tudo foi muito mais difícil do que eu jamais poderia imaginar.

Se o medo tivesse me impedido de tomar essa decisão, eu estaria vivendo uma vida mais confortável, porém completamente estagnada e isso me deixaria mais infeliz do que todo o sofrimento que a minha decisão me trouxe ao longo desses dois anos.

A felicidade duradoura vem do progresso.

É impossível aprender sem falhar. São as falhas que nos mostram se a decisão que tomamos está nos levando para o caminho certo ou não e o que devemos corrigir para chegar onde queremos.

Quando aprendemos, progredimos e o progresso é o que impulsiona a felicidade.

A sensação de estagnação, de que a vida não evolui, de que não existe saída é um dos assuntos mais frequentes nos emails que eu recebo de pessoas que não estão felizes com a própria vida.

Falhar faz a gente sofrer, só que não existe progresso sem falhas e não existe felicidade sem progresso.

Tudo vale a pena quando se tem um propósito.

Quando você faz algo que te motiva, o sofrimento vale a pena. 

Quando eu tomei essa decisão, não foi porque eu queria apenas viajar, trabalhar menos ou ir riscando lugares da minha bucket list. Se fosse só isso, talvez eu tivesse desistido. Talvez o sofrimento não valesse a pena.

Eu queria ser livre para criar algo que fizesse diferença na minha vida, que me fizesse crescer e que ajudasse outras pessoas.

Viajar foi só uma das consequências desse meu novo objetivo e ele não mudará se amanhã eu voltar para o Brasil e nunca mais sair de lá.

Grande parte da minha felicidade vem do meu crescimento e do meu senso de contribuição. Crescimento significa encontrar uma forma de ser uma pessoa melhor e contribuição significa encontrar uma forma de fazer a vida dos outros melhor.

Esse é o meu propósito.

warningComments are closed.